Arquivo de Abril, 2009

Lilies of the Field: a fé remove as sombras

Posted in Ciclo de Cinema Histórico, Comédia on 22/04/2009 by cinemacc

lilies_of_the_field

Lilies of the field (Uma voz nas sombras, EUA, 94 min., 1963). Direção: Ralph Nelson. Roteiro: James Poe. Fotografia: Ernest Haller. Música: Jerry Goldsmith. Elenco: Sidney Poitier; Lilia Skala; Lisa Mann; Isa Crino; Francesca Jarvis; Pamela Branch; Stanley Adams.

Premiações: Academy Awards®: Melhor Ator (Sidney Poitier); Indicado: Filme; Roteiro Adaptado; Atriz Coadjuvante (Lilia Skala); Fotografia P&B. BAFTA: Indicado Ator Estrangeiro (Sidney Poitier); Prêmio UN. Berlin Festival: Melhor Interfilm; Prêmio OCIC; Urso de Prata de Melhor Ator (Sidney Poitier); Menção Honrosa de Prêmio Jovem Realizador. Indicado Urso de Ouro. Golden Globes®: Melhor Ator – Drama (Sidney Poitier); Filme – Categoria Especial; Indicado: Filme – Drama; Atriz Coadjuvante (Lilia Skala).

 
Antes de me dedicar a ‘árdua’ tarefa de colecionar e ver todas as obras indicadas ao prêmio Oscar® de melhor filme, não conhecia um quarto de bons filmes norte-americanos. Eis que então, dentre estes bons filmes que concorreram no Academy Awards®, surge um obra singular que enfoca a devoção de maneira bastante espirituosa e agradável, Lilies of the Field (literalmente, “lírios do campo”), título retirado de uma passagem do Novo Testamento, do sermão da Montanha no livro de Mateus, e que foi traduzido no Brasil com o sugestivo nome Uma voz nas sombras.

Pela sinopse pude tomar contato que seria, no mínimo, um filme interessante: Um homem negro, Homer Smith (Poitier) é um operário desempregado, que trabalha no ramo de construções. Ele para seu carro em uma propriedade rural, para arrumar o carro que está com problemas. Nesse lugar moram freiras católicas do leste europeu. Maria (Skala), a madre superiora, acredita que ele foi mandado por Deus para ajudá-las a construir uma capela naquele local. Apesar disto não estar em seus planos, Homer se propõe a fazer pequenas tarefas, o que gradativamente começa a tomar proporções maiores, na medida em que ele passa a ser envolvido pelo discurso e pelo contato com as freiras. Assim, ainda que bastante religioso e relacionado à crença, pareceu-me também bastante humano e simples.

Mas Uma voz nas sombras é muito mais do que isso. Trata-se de uma obra envolvente, bem construída, com ótimo senso de humor, fé, e claro com uma mensagem redentora, positiva e cristã. Quero deixar claro que não sou um religioso praticante, até, posso dizer, critico muito a estrutura política dessas instituições. Mas o filme me convenceu que há humanidade na (divina) providência, basta crer.

Produzido nos anos 1960, a obra é baseada no romance homônimo de William E. Barrett (que escreveu o livro em 1962). A obra toca em assuntos próprios do que a religiosidade gosta de abordar: fé, crença, amizade, coletividade, conflito – com o resultado positivo, trabalho, relações étnicas e raciais (bem propício para a época da produção) e confiança.

Destaca-se a atuação brilhante de Sidney Poitier, no auge de suas interpretações na década de 1960, para as irmãs que expressavam um misto de sentido de bondade, com autoritarismo calcado na fé e na canção composta por Jester Hairston (que também dublou a voz de Sidney Poitier quando seu personagem cantava em cena), “Amen”, que ressoa na mente do espectador após a sessão.

O próprio Ralph Nelson dirigiu seu último filme em 1979 – Christmas Lilies of the Field -, refilmando e adaptando para a televisão, Uma voz nas sombras – que foi seu maior sucesso, sendo que nesse telefilme ele relaciona a trama a proposta natalina.

Enfim, vale descobrir esta obra, que ainda está escondida sob as sombras de filmes mais populares. Os motivos que tornam importante conferir este filme já deixamos claro aqui, mas, principalmente, devemos ver pela necessidade de crermos em algo, como, por exemplo, boas histórias (com orçamentos modestos) contatadas no cinema. E nisso eu creio, sem sombra de dúvidas.

 
Quando e Onde ver:
Dia 22 de Abril de 2009, 19 h, com comentários do professor, cronista, escritor e historiador Vitor Biasoli.
22º Ciclos de Cinema Histórico: Crenças, Fé e Obsessões Religiosas.
Auditório do CCSH – Centro; Rua Floriano Peixoto, 1184
Santa Maria, RS.
Entrada Franca

Macc Avaliação: 9,5

Anúncios

22º Ciclo de Cinema Histórico: Crenças, Fé e Obsessões Religiosas

Posted in Ciclo de Cinema Histórico on 22/04/2009 by cinemacc

22-ciclo

Começa hoje, no Auditório do CCSH-Centro, o 22º Ciclo de Cinema Histórico: Crenças, Fé e Obsessões Religiosas. As temáticas sobre religião e elementos que entrecruzam o tema têm tudo para provocar no público espectador sentimentos que podem transitar de uma confirmação da função social-política da religião a uma recuperação ou perda da crença e da fé.

 

Vitor Biasoli, colaborador dos ciclos desde a primeira edição produziu um texto bastante elucidativo do objetivo e do tema: ‘As crenças no sobrenatural, no sagrado e no transcedental acompanham a trajetória da humanidade desde a Antiguidade. Vivenciadas intimamente pela maioria dos homens, essas crenças foram e são objetos de questionamentos e sistemas filosóficos. Resultaram em códigos sociais, organizando-se em igrejas e com múltiplas expressões ao longo da história. O cinema não deixou de tematizá-las e o objetivo deste ciclo é analizar alguns desses títulos – que vão além da alma, além de um questionamento interior. Ao contrário do que se pensa, a modernidade – caracterizada pela crescente racionalização e questionamento de todas as crenças tradicionais – não sufocou o mundo religioso.’

Então, independentemente de qual for seu credo, os sete (que poderiam ser “sete pecados”?) filmes selecionados possuem um alto nível de qualidade artística, notabilizados por posturas de abordagem distintas em argumento e proposta religiosa.

Lembramos que a entrada é franca. Então é só aparecer, participar e tentar manter ou redescobrir a sua fé!!

22 de Abril de 2009, 19h
Lilies of the field (Uma voz nas sombras)
Direção: Ralph Nelson.
Estados Unidos, 1963, 94 min.
Com: Sidney Poitier; Lilia Skala; Lisa Mann; Isa Crino; Francesca Jarvis; Pamela Branch; Stanley Adams.
Comentários: Vitor Biasoli.
Sinopse: Homer Smith (Poitier) é um operário desempregado, que trabalha em construções. Ele para seu carro em uma propriedade rural, para arrumar o carro. Nesse lugar moram freiras católicas do leste europeu. Maria (Skala), a madre superiora, acredita que ele foi mandado por Deus para ajudá-las a construir uma igreja naquela região. Apesar disto não estar em seus planos, Homer se propõe a fazer pequenas tarefas, mas gradativamente começa a ser envolvido pelas religiosas.
Premiações: Academy Awards®: Melhor Ator (Sidney Poitier); Indicado: Filme; Roteiro Adaptado; Atriz Coadjuvante (Lilia Skala); Fotografia P&B. BAFTA: Indicado Ator Estrangeiro (Sidney Poitier); Prêmio UN. Berlin Festival: Melhor Interfilm; Prêmio OCIC; Urso de Prata de Melhor Ator (Sidney Poitier); Menção Honrosa de Prêmio Jovem Realizador. Indicado Urso de Ouro. Golden Globes®: Melhor Ator – Drama (Sidney Poitier); Filme – Categoria Especial; Indicado: Filme – Drama; Atriz Coadjuvante (Lilia Skala).
Macc Avaliação: 9,5

23 de Abril de 2009, 19h
Barravento (Barravento)
Direção: Glauber Rocha.
Brasil, 1962, 78 min.
Com: Antonio Pitanga; Luiza Maranhão; Lucy de Carvalho; Aldo Teixeira; Lidio Silva.
Comentários: Mauricio Lima.
Sinopse: Negros que, após a abolição da escravatura, continuam escravos, pescadores dominados pelo misticismo religioso, uma força externa vindo ao encontro deles e em oposição ao “estado de alienação”. Por fim, a revolução contra o patrão e contra Iemanjá, ambos responsáveis por sua miséria.
Macc Avaliação: 9

24 de Abril de 2009, 19h
O Pagador de Promessas (O pagador de promessas)
Direção: Anselmo Duarte.
Brasil, 1962, 98 min.
Com: Leonardo Villar; Glória Menezes; Dionísio Azevedo; Geraldo Del Rey; Roberto Ferreira; Norma Bengell.
Comentários: Rafael Lameira.
Sinopse: Ao tentar cumprir uma promessa feita em um terreiro de candomblé, um humilde homem, Zé do Burro (Villar), após carregar uma pesada cruz por um longo percurso, enfrenta a intransigência da Igreja.
Premiações: Academy Awards®: Indicado Filme em Língua Estrangeira. Cannes Festival: Palma de Ouro de Melhor Filme.
Macc Avaliação: 9

27 de Abril de 2009, 19h
In the name of the Father (Em nome do pai)
Direção: Jim Sheridan.
Irlanda/Inglaterra, 1993, 133 min.
Com: Daniel Day-Lewis; Emma Thompson; Pete Postlethwaite; Mark Sheppard; Anthony Brophy; Frankie McCafferty.
Comentários: Nielle Villanova.
Sinopse: Baseado em fatos. Gerry era um pequeno delinqüente de Belfast, durante os anos 70. Depois de ir para a Inglaterra, é injustamente acusado como um dos quatro terroristas de Guildford, pegando prisão perpétua e descobrindo, aos poucos, suas forças mais profundas para lutar contra tal injustiça.
Premiações: Academy Awards®: Indicado: Filme; Diretor; Ator (Daniel Day-Lewis); Ator Coadjuvante (Pete Postlethwaite); Atriz Coadjuvante (Emma Thompson); Roteiro – Adaptado; Edição. BAFTA: Indicado Ator (Daniel Day-Lewis); Roteiro – Adaptado. Berlin Festival: Urso de Ouro de Melhor Filme. Golden Globes®: Filme – Drama; Ator – Drama (Daniel Day-Lewis); Atriz Coadjuvante (Emma Thompson); Canção (“(You Made Me the) Thief of Your Heart”, de Bono, Gavin Friday, Maurice Seezer).
Macc Avaliação: 9,5

28 de Abril de 2009, 19h
Nattvardsgästerna (Luz de inverno)
Direção: Ingmar Bergman.
Suécia, 1962, 81 min.
Com: Ingrid Thulin; Gunnar Björnstrand; Gunnel Lindblom; Max von Sydow; Allan Edwall.
Comentários: André Jobim.
Sinopse: Após ler nos jornais que a China possuí a bomba atômica e pretende usá-la, um pescador vai à igreja, buscando palavras de conforto e consolo do pastor. Porém, este não consegue ajudá-lo porque está passando por uma crise de fé, temendo também o apocalipse nuclear.
Macc Avaliação: 9

29 de Abril de 2009, 19h
Kundun (Kundun)
Direção: Martin Scorsese.
Estados Unidos/Tibete, 1997, 137 min.
Com: Tenzin Thuthob Tsarong; Gyurme Tethong; Tulku Jamyang Kunga Tenzin; Tenzin Yeshi Paichang; Tencho Gyalpo.
Comentários: Fernanda Gabriela dos Santos.
Sinopse: Em 1933, morre o décimo-terceiro Dalai Lama. Quatro anos depois, em uma remota área do Tibet, é encontrado um menino de dois anos, que é identificado como a reencarnação de Dalai Lama, o “Buda da Compaixão”. Dois anos mais tarde, o garoto é levado para Lhasa, onde é educado como um monge e preparado para se tornar um chefe de estado. Quando tem 14 anos passa a enfrentar problemas com a China, que pretende tomar posse do Tibet.
Premiações: Academy Awards®: Indicado: Fotografia; Direção de Arte; Figurino; Trilha Sonora. Golden Globes®: Trilha Sonora.
Macc Avaliação: 9

30 de Abril de 2009, 19h
Amen. (Amém)
Direção: Konstantinos Costa-Gavras.
França/Romênia/Alemanha, 2002, Color, 132 min.
Com: Ulrich Tukur; Mathieu Kassovitz; Ulrich Mühe; Michel Duchaussoy; Friedrich von Thun.
Comentários: Fritz Nunes.
Sinopse: Segunda Guerra Mundial. Um oficial da SS, desenvolve um produto para tornar mais eficiente a limpeza de tanques. Seu produto, porém, é utilizado para matar os judeus nos campos de concentração. Horrorizado, ele procura o jovem padre Ricardo Fontana que, sendo de família influente, poderia solicitar a interferência do Papa Pio XII para impedir o genocídio dos judeus. Nessa trama se desenrola toda a saga desses dois jovens, um movido pela culpa outro pela consciência e toda a intensa luta para salvar milhões de judeus.
Premiações: Berlin Festival: Indicado Urso de Ouro. Cannes Festival: Melhor Roteiro. Indicado: Filme; Diretor; Ator (Mathieu Kassovitz); Fotografia; Música; Som.
Macc Avaliação: 9

ciclo-22-capas

Salas de Cinema, Santa Maria – RS, 10 de Abril – 16 de Abril

Posted in Salas de Cinema on 10/04/2009 by cinemacc

salas-de-cinema-2

Está aí uma semana com ótimas opções nas salas de cinema comercial de Santa Maria. Além de seguir em cartaz a animação Monstros vs. Alienígenas, que ainda não pude conferir, estreiam 3 filmes com potencial para fazer o público espectador refletir e se emocionar. Foi Apenas um Sonho, de Sam Mendes, é um desses filmes sobre casais em crise, que não é inovador, mas que conta com boas atuações, em especial do ‘casal Titanic’ Kate Winslet e Leonardo DiCaprio que retomam a parceria. Mas a semana é de Clint Eastwood. O mestre prova que tem cacife para dirigir filmes seja qual for o tema, o estilo e a proposta. E ele fez isso da melhor forma possível, lançando dois filmes 2008, que entram em cartaz juntos aqui na cidade: A Troca, com a sra. Jolie, é uma obra sensível e envolvente que tem sua origem em fatos ocorridos na década de 1920; e, que classifico como imperdível, Gran Torino, que mesmo possuindo um linearidade e alguns problemas de roteiro, é um filme que traz uma das melhores atuações do próprio Clint, que certamente ainda terá fôlego, para produzir, dirigir, atuar (se quiser…) e… compor trilhas sonoras (como da bela canção entoada no fim do filme) de outras grandes obras que não se contentam (e não se contentarão) em ser apenas mais uma no universo de muitas.

Movie Arte Cinemas
Santa Maria Shopping – Calçadão, 1.263.
Fone: 3226-8939
Ingresso: R$ 10,00 (Inteira) e R$ 5,00 (Meia-entrada).
*Quarta-feira meia-entrada para todos.

Programação: 10 de Abril a 16 de Abril, 2009.

Monsters vs. Aliens (Monstros vs. Alienígenas )
Direção: Rob Letterman; Conrad Vernon.
Estados Unidos, 2009, 94 min.
Com: Reese Witherspoon (Voz, original); Seth Rogen (Voz, original); Hugh Laurie (Voz, original); Kiefer Sutherland (Voz, original).
Sinopse: Animação da DreamWorks (com versões em 3D). Um grupo de monstros terrestres têm como missão salvar o mundo depois de uma invasão alienígena. Susan Murphy, uma garota da Califórnia, é atingida por um meteoro no dia de seu casamento e fica com 15 metros de altura. Depois que ela é capturada pelos militares e mantida em um local secreto do governo, o mundo descobre que os militares, durante muitos anos, estão reunindo em segredo outros monstros.
Dublado.
Classificação: Livre.
Exibição: Cine Movie Arte 1 (14h30min, 16h15min, 18h, 19h45min)
Macc Avaliação: N/A

Changeling (A Troca)
Direção: Clint Eastwood.
Estados Unidos, 2008, 141min.
Com: Angelina Jolie; Gattlin Griffith; Michelle Gunn; Jan Devereaux; Erica Grant; Michael Kelly; John Malkovich; Colm Feore.
Sinopse: Estados Unidos, Década de 1920. Uma mãe desesperada (Jolie) reza para que a polícia consiga encontrar seu filho que fora sequestrado. As preces são atendidas, e a criança volta para casa. Mas não demora muito e a mãe começa a desconfiar que aquele menino não é o seu filho, saindo em busca de explicação e justiça.
Premiações: Academy Awards®: Indicado: Atriz (Angelina Jolie); Direção de Arte; Fotografia. BAFTA: Indicado: Diretor; Atriz (Angelina Jolie); Fotografia; Figurino; Edição; Design de Produção; Roteiro – Original; Som. Cannes Festival: Indicado Palma de Ouro. Golden Globes®: Indicado Atriz – Drama (Angelina Jolie); Trilha Sonora.
Legendado.
Classificação: 16 anos.
Exibição: Cine Movie Arte 1 (21h30min)
Macc Avaliação: 8

Gran Torino (Gran Torino)
Direção: Clint Eastwood.
Estados Unidos/Australia, 2008, 116 min.
Com: Clint Eastwood; Christopher Carley; Bee Vang; Ahney Her; Brian Haley.
Sinopse: Walt Kowalski (Eastwood) é um veterano da guerra da Coréia que, pressionado por seus vizinhos imigrantes, deverá confrontar-se com um jovem que tentou roubar seu valioso Gran Torino 1972.
Premiações: Golden Globes®: Indicado Canção “Gran Torino”, de Clint Eastwood, Jamie Cullum, Kyle Eastwood, Michael Stevens.
Legendado.
Classificação: 14 anos.
Exibição: Cine Movie Arte 2 (15h, 19h30min, 21h45min)
Macc Avaliação: 9

Revolutionary Road (Foi Apenas um Sonho)
Direção: Sam Mendes.
Estados Unidos/Inglaterra, 2008, 119 min.
Com: Kate Winslet; Leonardo DiCaprio; Michael Shannon; Ryan Simpkins; Ty Simpkins; Kathy Bates; Richard Easton.
Sinopse: Baseado em obra de Richard Yates. Connecticut, anos 1950. Frank (DiCaprio) e April (Winslet) é um casal que luta para lidar com seus problemas pessoais enquanto tentam criar os dois filhos de forma digna.
Premiações: Academy Awards®: Indicado: Ator Coadjuvante (Michael Shannon); Direção de Arte; Figurino. BAFTA: Indicado: Atriz (Kate Winslet); Design de Produção; Figurino; Roteiro – Adaptado. Golden Globes®: Melhor Atriz – Drama (Kate Winslet). Indicado: Filme – Drama; Diretor; Ator – Drama (Leonardo DiCaprio).
Legendado.
Classificação: 10 anos.
Exibição: Cine Movie Arte 2 (17h15min)
Macc Avaliação: 7

Volver: um retorno

Posted in Ciclo de Cinema Histórico, Comédia, Drama on 09/04/2009 by cinemacc

volver-poster011

 

Volver (Volver, ESP, 121 min., 2006). Direção: Pedro Almodóvar. Roteiro: Pedro Almodóvar. Fotografia: José Luis Alcaine. Música: Alberto Iglesias. Elenco: Penélope Cruz; Carmen Maura; Lola Dueñas; Blanca Portillo; Yohana Cobo; Antonio de la Torre; Chus Lampreave.

 

Premiações: Academy Awards®: Indicado Atriz (Penélope Cruz). BAFTA: Indicado Atriz (Penélope Cruz); Filme Estrangeiro. Cannes Festival: Melhor Elenco Feminino; Roteiro. Indicado Palma de Ouro. César Awards: Indicado Filme Estrangeiro. Golden Globes®: Indicado: Filme Estrangeiro; Atriz (Penélope Cruz).

 

Ok, quem já leu algum dos posts aqui escritos já pode perceber que não gosto da grande maioria dos filmes do sr. Pedro Almodóvar. Mas não vou cair na ranzinzisse de apenas destruir uma obra que, sim, tem méritos. E por isso escreverei um texto valorizando um de seus filmes, que inclusive, na minha avaliação, não é o melhor, diria até longe disso.

É importante dizer que considero Fale com Ela (2002) a obra-prima, o filme nota 10 desse diretor. O roteiro envolvente, a história que trata de solidões, e as possibilidades criativo-estéticas com referências ao cinema mudo, a sua própria obra e ao universo espanhol é algo admirável e difícil de se encontrar na cinematografia mundial.

Mas vou falar aqui de Volver, que de partida tem o mesmo nome de um tango composto e interpretado por Carlos Gardel, presente na trilha sonora. Em um livro de entrevistas lançado no Brasil em 2008, Conversas com Almodóvar, ele fala que esse filme é uma espécie de “ajuste de contas” necessário com sua infância, uma espécie de produção necessária para ele procurar novos voos. O diretor busca um retorno ao passado, parecendo inspirar-se em suas próprias memórias. Almodóvar, nasceu em La Mancha, que também é a cidade natal das protagonistas.  Assim, através de suas personagens, ele parece exorcizar seus próprios fantasmas da infância, dos parentes já idosos e da morte dos pais.

A história une o cômico, o dramático e o realismo fantástico. Raimunda (Cruz), a protagonista, trabalha como faxineira no aeroporto de Madri para sustentar o marido desempregado e a filha adolescente. Sole (Dueñas), sua irmã mais velha, trabalha em casa, onde instalou um salão de beleza. Ambas visitam rotineiramente o túmulo da mãe Irene (Maura), que morreu em um incêndio causado pelo calor e pelos fortes ventos da região. Certo dia, Irene reaparece. Inicialmente, só Sole a vê, mas na verdade é com Raimunda que ela tem assuntos pendentes a acertar.

Almodóvar aborda a relação de cumplicidade, separação e vínculo entre mulheres de uma mesma família, três gerações que, de alguma forma, tiveram problemas com os homens. Cabe às mulheres o papel de cuidar e proteger a família, inclusive da violência masculina. Em Volver, o diretor constrói um subtexto elaborado a partir do tema do abuso sexual, já abordado em Má Educação (2004), mas agora pelo viés feminino. O foco sob os sentimentos de medo, culpa e vergonha servem de desbobramentos para o roteiro que situa esse tema delicado construido a partir de uma linha tênue entre o melodrama e a comédia, predominando o tom leve e descontraído, mas que ganha intensidade no desfecho.

As atrizes, com destacadas atuações, desempenham personagens típicas dos filmes de Almodóvar, misturando extravagância, força e sensibilidade. Os planos de filmagem são bem próximos aos personagens, geralmente em lugares fechados, com destaque para certos closes que valorizam a beleza de Penélope Cruz.

Uma característica do cinema de Almodóvar é realizar homenagens a história do cinema, rememorando e retornando as suas paixões de infância, adolescência e madurez. Neste filme ele cita a obra Belíssima (1951), de Luchino Visconti que também trata a relação entre mãe e filha, o que constitui um belo elo temático entre os filmes.

Sim, Volver é uma obra com teor novelesco e adocicado. Sim, é um filme que não agradará a todos. Sim, é uma obra muito mais destinada a fãs do diretor. Sim, o filme tem qualidades, tem um bom ritmo, tem o sempre destacado uso das cores e tem uma boa história. Sim vale a pena ser visto porque Almodóvar é mestre em tocar em sentimentos e afetos que envolvem experiências profundas de cuidado e proteção. E sim, este também é um post de ajuste de contas com o cinema deste diretor espanhol, mas não me peçam para falar mais… por hora.

Quando e Onde ver:
Dia 9 de Abril, 19 h, com comentários do professor Guilherme Rodrigues Passamani.
21º Ciclos de Cinema Histórico: Mulheres à Beira de uma Sessão de Cinema.
Auditório do CCSH – Centro; Rua Floriano Peixoto, 1184
Santa Maria, RS.
Entrada Franca

Macc Avaliação: 8

The Hours: caminhos de um dia que não acaba

Posted in Ciclo de Cinema Histórico, Drama on 08/04/2009 by cinemacc

hours1

The Hours (As Horas, EUA/ING, 114 min., 2002). Direção: Stephen Daldry. Roteiro: David Hare. Fotografia: Seamus McGarvey. Música: Philip Glass. Elenco: Nicole Kidman; Julianne Moore; Meryl Streep; Stephen Dillane; Miranda Richardson; John C. Reilly; Toni Collette; Ed Harris.

 

Premiações: Academy Awards®: Melhor Atriz (Nicole Kidman). Indicado: Filme; Diretor; Figurino; Edição; Ator Coadjuvante (Ed Harris); Atriz Coadjuvante (Julianne Moore); Trilha Sonora; Roteiro Adaptado. BAFTA: Melhor Atriz (Nicole Kidman); Trilha Sonora. Indicado Filme; Filme Britânico; Edição; Maquiagem; Roteiro Adaptado; Ator Coadjuvante (Ed Harris); Atriz Coadjuvante (Julianne Moore); Atriz Coadjuvante (Meryl Streep); Diretor. Berlin Festival: Prêmio do Júri dos leitores de ‘Berliner Morgenpost’ (Stephen Daldry); Urso de Prata (Nicole Kidman; Meryl Streep; Julianne Moore). Indicado: Urso de Ouro. César Awards: Indicado Filme Estrangeiro. Golden Globes®: Melhor Filme – Drama; Atriz (Nicole Kidman). Indicado: Diretor; Roteiro; Trilha Sonora; Ator Coadjuvante (Ed Harris); Atriz Coadjuvante (Meryl Streep). Grammy: Indicado Trilha Sonora.

 

“A dor de cabeça está sempre por perto, esperando, e seus períodos de liberdade, por mais longos que sejam, parecem sempre provisórios. Às vezes a dor de cabeça toma posse dela apenas parcialmente, por uma tarde, um dia ou dois, depois se retira. Às vezes fica e cresce, até que ela própria se esvai. Nessas ocasiões, a dor de cabeça sai do crânio e muda-se para o mundo.” (p.62) Este excerto da obra As horas, do escritor californiano Michael Cunnigham – que venceu o prêmio Pulitzer por este romance -, resume a idéia que eu tive quando li o livro há algum tempo atrás: a inquietude, seu deslocamento do mundo e a infelicidade das protagonistas retratadas.

O filme que é baseado no referido livro é marcado por uma sensibilidade e por uma delicadeza narrativa, que a montagem consegue imprimir e que a mão segura de Stephen Daldry consegue transmitir. A trilha sonora minimalista de Philip Glass, colabora para dar a dimensão íntima e angustiante das protagonistas, e o elenco destaca-se pela doação e pelo engajamento com o propósito da narrativa, destacando-se Nicole Kidman (que esconde sua beleza em um maquiagem que a deixou – muito – estranha, mas não prejudicou sua atuação), Julianne Moore e Ed Harris.

A história revela, de maneira entrecruzada pela montagem, a vida de três mulheres que estão interligadas por um livro, Mrs. Dalloway, escrito pela escritora inglesa Virgina Woolf. Ela, Mrs. Woolf, (Kidman), na década de 1920, está começando a escrever seu livro, Mrs. Dalloway, sob os cuidados de seus médicos e familiares. Em 1951, Laura Brown (Moore) está preparando algo para o aniversário de seu marido. Entretanto, encontra-se ocupada pois está lendo o livro escrito por Virginia, o mesmo Mrs. Dalloway. Em 2001, Clarissa Vaughn (Streep) está preparando uma festa para seu melhor amigo (Harris), um famoso autor que está morrendo de AIDS. A trama é tomada em apenas um dia, e as histórias percorrem uma vivência e uma leitura intrigantemente distinta.

O romance Mrs. Dalloway, lançado em 1925 e que serviu de inspiração para Cunningham, mostra em um único dia a recepção que Clarissa Dalloway prepara em sua casa, na Inglaterra pós-Primeira Guerra Mundial. Ao longo do dia, o romance acompanha as atividades e, principalmente, os pensamentos de algumas pessoas cujas vidas de algum modo se relacionam com Clarissa e sua festa. A obra foi uma das primeiras a fazer uso do  fluxo de consciência, que mais tarde também fora usado por Clarice Lispector na Literatura Brasileira.
A marca do romance e do filme é a expressão da extrema infelicidade e inquietude que passam as protagonistas, ainda que, em um primeiro momento, não transpareçam isso. Virginia está a beira de um ataque de loucura, pois sofre muito a solidão vinda do confinamento na cidade onde vive, e só se liberta enquanto escreve. Laura que parece ter uma vida perfeita, sofre de uma angústia que nos agonia, e somente fica feliz enquanto lê Mrs. Dalloway. Já Clarissa vê a todo tempo o quanto banal é sua vida, só tendo um pouco de felicidade enquanto deixa de viver sua vida para viver a de Richard, o qual a apelidou de “Mrs. Dalloway”.

O roteiro de David Hare foca a angústia da alma feminina com uma sensibilidade impressionante, exatamente no mesmo molde em que Virginia compunha seus livros de temática introspectiva. A expressão da vivência de mulheres (uma real e outras duas ficcionais) por momentos distintos da história, através de uma simultaneidade de situações, capta e arrebata o expectador que se sente guiado pelos dramas particulares, pelos desejos reprimidos e pelo sufocamento de um dia, que se repetiu e que poderá se repetir sem cessar.

Quando e Onde ver:
Dia 8 de Abril, 19 h, com comentários de Lenine Ribas Maia.
21º Ciclos de Cinema Histórico: Mulheres à Beira de uma Sessão de Cinema.
Auditório do CCSH – Centro; Rua Floriano Peixoto, 1184
Santa Maria, RS.
Entrada Franca

Macc Avaliação: 9,5

Dona Flor e seus Dois Maridos: menage à trois à baianês

Posted in Ciclo de Cinema Histórico, Comédia, Romance on 07/04/2009 by cinemacc

dona-flor-e-seus-2-maridos-poster02

Dona Flor e seus Dois Maridos (Dona Flor e seus Dois Maridos, BRA, 110 min., 1976). Direção: Bruno Barreto. Roteiro: Bruno Barreto; Eduardo Coutinho; Leopoldo Serran. Fotografia: Murilo Salles. Música: Francis Hime; Chico Buarque de Hollanda. Elenco: Sonia Braga; José Wilker; Mauro Mendonça; Dinorah Brillanti; Nelson Xavier.

 

Premiações: BAFTA: Indicado Revelação (Sonia Braga). Golden Globes®: Indicado Filme Estrangeiro. Gramado Festival: Melhor Direção; Trilha Sonora; Prêmio do Júri Designer de Produção. Indicado Filme.

 

Sou um apreciador da literatura de Jorge Amado. Seu livro Capitães de Areia está entre os meus favoritos dos romances nacionais. A novela A morte e a morte de Quincas Berro D’Água é um dos textos mais agradáveis e engraçados que li. E os romances com foco sobre a mulher… bem, destes eu li apenas Dona Flor e seus Dois Maridos. Talvez por falta de tempo, ou por outras leituras mais urgentes, Gabriela: Cravo e Canela, Tereza Batista Cansada de Guerra e Tieta do Agreste ainda são livros que, num momento de retorno à ficção do mestre baiano, degustarei no futuro.

Mas o que me torna a tratar de Jorge é a ligação de sua obra ao cinema, no caso Dona Flor e Seus Dois Maridos, romance escrito em 1966. Não cairei no erro de dizer que o livro é infinitamente superior, até porque o filme tem qualidades próprias de sua arte. Mas cabe esclarecimentos, que minha paixão literária (talvez não tão grande quanto minha paixão cinematográfica) faz com que eu tome a liberdade de explicar.

O trabalho de Jorge Amado é um exercício de criatividade que apenas no campo literário é permitido encontrar. Logo na epígrafe temos citações que caracterizam a personalidade de cada protagonista: “Deus é gordo” (Revelação de Vadinho ao retornar da morte); “Um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar” (Dístico na parede da farmácia do doutor Teodoro Madureira); “Ai!” (Suspiro de dona Flor); em meio a eles “A terra é azul” (célebre frase de Gagarin após o primeiro voo espacial, confirmando o espaço do real e da verossimilhança que adota Jorge, mesmo que faça uso do Realismo fantástico ao trazer da morte Vadinho, o mulherengo ‘incontornável’).

Só observando esses elementos, tem-se noção de que estamos diante de um retrato cômico e ao mesmo tempo tipicamente popular. A composição de uma narrativa que alterna descrições do cotidiano e cenas realistas da vida boêmia da Salvador dos anos 1940, pontuada por passagens reveladoras sobre comida e remédios (necessidades e prazeres do ser humano), acentua o tom nostálgico e ao mesmo tempo peculiar do povo Baiano.

O texto se divide em partes: a primeira revelando a morte, o velório e o enterro de Vadinho, primeiro marido de dona Flor; A segunda e terceira retrata o tempo de viuvez de Flor; A quarta, o casamento com o doutor Teodoro Madureira; E a quinta parte o conflito entre “espírito e matéria” (que o próprio Jorge Amado afirma que situações como essa somente são possíveis de acontecer na cidade da Bahia, acreditando quem quiser… e, esse humilde blogueiro, particularmente, acredita).

Dez anos depois do lançamento do livro, Bruno Barreto, em um lance comercial de mestre, lança o filme que narra a história de Vadinho, Flor e Teodoro, ao som de uma trilha sonora muito apropriada composta por Francis Hime e por Chico Buarque. Bom, para deixar claro a sinopse do filme, que segue os principais momentos do livro, é essa: Vadinho (Wilker) morre repentinamente no carnaval de 1943, deixando Dona Flor (Braga), sua mulher, desconsolada. Mas depois de um tempo, Flor casa com um farmacêutico, Teodoro Madureira (Mendonça), que é totalmente o oposto de Vadinho. Flor chama tanto pelo seu falecido marido na cama que ele acaba aparecendo.

As interpretações dos protagonistas são bastante envolventes e na medida certa das personagens. A mulher, mais uma vez, aparece como uma máquina de sexo – e Sonia Braga, no auge!, reforça essa tendência. Mas ainda assim, é-lhe permitido a escolha e a possibilidade de encontrar a felicidade completa, na afetividade, no furor carnal e nos negócios. Isso tudo revelado no cômico e no riso que tende a tornar insólito os relacionamentos, beirando a situações chanchadescas dos anos 1950, com o provocativo da pornochancada dos anos 1970.

A história, que se passa na década de 1940, pincela algumas referências aos integralistas, por exemplo, mas isso se perde no esquema de redemoinho narrativo do diretor. É preciso dizer que, ao lançar o filme em tempos de ditadura civil-militar e da pornochanchada que povoam os cinemas nacionais, contra a forte concorrência do cinema de Hollywood, o filme de Barreto é um êxito comercial de proporções antes nunca observadas para produções brasileiras. O que nos leva a conclusões talvez rasas, talvez óbvias, talvez inoportunas para o horário, talvez verdadeiras, mas certamente necessárias de serem ditas: o público expectador brasileiro aprecia boas histórias, principalmente as cômicas, com uma dose grande sexualidade à flor da pele. Confira!

Quando e Onde ver:
Dia 7 de Abril de 2009, 19h, com comentários dos acadêmicos do Curso de História (UNIFRA) Marcelo Santos Matheus e Max Pereira Ribeiro.
21º Ciclos de Cinema Histórico: Mulheres à Beira de uma Sessão de Cinema.
Auditório do CCSH – Centro; Rua Floriano Peixoto, 1184
Santa Maria, RS.
Entrada Franca

Macc Avaliação: 8

Cineclube UNIFRA: Ciclo Preto & Branco em Cores

Posted in Cineclubes, Cinema Policial, Drama, Romance on 03/04/2009 by cinemacc

Uma ótima dica de cinema nos ‘embalos’ dos sábados à tarde você pode encontrar no Cineclube UNIFRA. Este espaço de exibição, opinião e debate existe desde 2003, sempre contando com ótimos resgates de obras fundamentais da cinematografia mundial e de temas pertinentes para a sociedade.

Em abril será realizado o ciclo Preto & Branco em Cores com obras notáveis pela direção de fotografia, pelo cromatismo das películas e pelo despojamento estético dos diretores selecionados no caso Michelangelo Antonioni, Zhang Yimou e os Irmãos Coen.

O cineclube conta com a coordenação do professor e jornalista Bebeto Badke, amante da arte cinematográfica, e com a participação e organização de alunos da instituição. As sessões acontecem sempre aos sábados, 16 horas, no Salão Azul Conjunto I (Andradas, 1614) e a entrada é Franca. Maiores informações você encontra no site da UNIFRA http://www.unifra.br ou pelo e-mail nucom.unifra@hotmail.com.

Confira detalhes da programação:

04 de Abril de 2009, 16h
Il Deserto Rosso (O Deserto Vermelho)
Direção: Michelangelo Antonioni.
Itália, 1964, 116 min.
Com: Monica Vitti; Richard Harris; Carlo Chionetti; Xenia Valderi; Rita Renoir; Lili Rheims.
Sinopse: Ravenna, Itália. Nesta cidade industrial, Ugo (Chionetti), é o gerente de uma usina. Ele é casado com Giuliana (Vitti), uma dona de casa que sofre de problemas psicológicos. Numa viagem à Patagônia, ela conhece o engenheiro Zeller (Harris), o que pode mudar sua vida. O tema da incomunicabilidade está presente neste grande filme.
Premiações: Venezia Festival: Leão de Ouro; Prêmio FIPRESCI (Michelangelo Antonioni).
Macc Avaliação: 9,5

11 de Abril de 2009 *(Não haverá sessão).

18 de Abril de 2009, 16h
Shi Mian Mai Fu (O Clã das Adagas Voadoras)
Direção: Zhang Yimou.
China/Hong Kong, 2004, 119 min.
Com: Zhang Ziyi; Takeshi Kaneshiro; Andy Lau; Song Dandan.
Sinopse: No ano de 859 a China passa por terríveis conflitos. A dinastia Tang, antes próspera, está decadente. Leo (Lau) e Jin (Kaneshiro), são dois soldados que recebem a missão de matar o líder de um clã que ameaça a dinastia dominante na China. Eles elaboram um plano que conta com a participação de uma revolucionária cega (Ziyi), mas não contavam que se apaixonariam por ela.
Premiações: Academy Awards®: Indicado Fotografia. BAFTA: Indicado: Filme em Língua Estrangeira, Atriz (Zhang Ziyi), Fotografia, Figurino, Edição, Maquiagem, Efeitos Visuais, Design de Produção, Som. Golden Globes®: Indicado Filme em Língua Estrangeira.
Macc Avaliação: 8,5

25 de Abril de 2009, 16h
The Man Who Wasn’t There (O Homem que não estava lá)
Direção: Joel Coen; Ethan Coen.
Estados Unidos, 1999, 88 min.
Com: Billy Bob Thornton; Frances McDormand; Michael Badalucco; James Gandolfini; Katherine Borowitz; Jon Polito; Richard Jenkins; Tony Shalhoub; Scarlett Johansson.
Sinopse: Anos 1940, Ed Crane (Thornton) é um barbeiro infeliz, que vive com sua esposa Doris (McDormand). Ao descobrir que ela o está traindo, Ed passa então a planejar uma trama de chantagem contra ela, a fim de ensinar-lhe uma lição. Mas quando seu plano vai por água abaixo uma série de consequências desagradáveis ocorrem, incluindo vários assassinatos.
Premiações: Academy Awards®: Indicado Fotografia. BAFTA: Indicado Fotografia. Cannes Festival: Melhor Diretor (Joel Coen); Indicado Palma de Ouro. César Awards: Indicado Filme Estrangeiro. Golden Globes®: Indicado: Filme – Drama, Ator – Drama (Billy Bob Thornton), Roteiro.
Macc Avaliação: 9,5

 cineclube-unifra-2009-04